REPÚBLICA BANANA PEOPLE

Publique sua OPINIÃO Sem CENSURA! DENÚNCIE! Seja Um Colaborador!

Archive for the ‘COMPETIÇÕES’ Category

Seis meses após Olimpíada de Inverno, Sochi vira cidade-fantasma

Posted by REPÚBLICA BANANA PEOPLE em agosto 26, 2014

O legado olímpico de Sochi (Rússia) foi o deserto. A cidade que sediou os Jogos Olímpicos de Inverno deste ano parece uma cidade-fantasma seis meses após o fim das competições. O fotógrafo russo Alexander Belenkiy publicou na rede social LiveJournal flagrantes do abandono de Sochi. poucas pessoas são vistas nas ruas, mesmo neste fim de verão (no Hemisfério Norte). Visitantes são cada vez mais raros. O governo da Rússia gastou cerca de R$ 110 bilhões para organizar o evento olímpico. Lição para o Rio?

A cidade deverá  voltar a viver um boom, pois ela sediará em outubro a primeira corrida de Fórmula-1 da Rússia. Fernando Moreira – http://oglobo.globo.com/blogs/pagenotfound/posts/2014/08/26/seis-meses-apos-olimpiada-de-inverno-sochi-vira-cidade-fantasma-547279.asp

Confira algumas imagens de Belenkiy:

Reprodução/Alexander Belenkiy

Posted in COMPETIÇÕES, Outras Modalidades | Leave a Comment »

Ladrões aproveitam Copa e roubam 300 mil litros de cerveja na Alemanha

Posted by REPÚBLICA BANANA PEOPLE em julho 19, 2014

Ein prosit! Ou "um brinde", em português. Com cerveja na mão, Kevin Grosskreutz e Lukas Podolski chegam ao palco de comemoração do título, em frente ao Portão de BrandenburgoAFP – Ein prosit! Ou “um brinde”, em português. Com cerveja na mão, Kevin Grosskreutz e Lukas Podolski chegam ao palco de comemoração do título, em frente ao Portão de Brandenburgo

A Copa do Mundo foi capaz de parar cidades brasileiras durante as partidas da Seleção Canarinho –e parece que a paixão (e distração) dos alemães não fica para trás. Ladrões na cidade de Krefeld, em Düsseldorf, conseguiram roubar 300 mil litros de cerveja –ou o equivalente a 300 mil garrafas tipo “litrão”– durante os últimos cinco dias da competição sem serem notados.

Segundo o “Wall Street Journal”, a polícia informou que os ladrões invadiram um depósito pela porta da frente na última quinta-feira (10) e carregaram caminhões com os engradados de cerveja.

Depois, retornaram ao local e roubaram ainda mais engradados –o equivalente a dez cargas de caminhão. De acordo com testemunhas, os veículos chegavam e saíam em intervalos regulares. As pessoas não desconfiaram do roubo por julgarem o movimento “normal”.

Foi apenas na segunda-feira (14), quando os funcionários da distribuidora voltaram a trabalhar, que o crime foi notado. O valor da carga pode chegar a 2,1 milhões de euros (R$ 6,3 milhões).

A polícia não revelou o nome da fabricante da cerveja nem o da distribuidora roubada. A única pista até o momento é a de que os caminhões rumaram no sentido da cidade de Düisburg pela rodovia A40. Em comunicado, a polícia de Krefeld chegou a apelar: “Alguém viu uma quantidade grande de cerveja por aí?” Grande quantidade de cerveja? Depois da conquista do tetra na Copa? Nestes últimos dias? (Só faltou dizer: “Prost!”… “Saúde!” em alemão)

Recepção dos campeões mundiais na Alemanha42 fotos

Torcedores fazem festa durante passagem do ônibus com os jogadores da seleção da Alemanha AFP PHOTO / DPA / WOLFGANG KUMM

Como a terra da cerveja curte a Copa20 fotos

Copos de degustação no bar da fábrica da Eisenbhan: Pilsen, Weizenbier, Pale Ale e Dunke Junior Lago/UOL – http://noticias.uol.com.br/tabloide/ultimas-noticias/tabloideanas/2014/07/15/ladroes-aproveitam-copa-e-roubam-300-mil-garrafas-de-cerveja-na-alemanha.htm#fotoNav=11

Posted in COMPETIÇÕES, Futebol | Leave a Comment »

Um gosto agridoce depois da Copa

Posted by REPÚBLICA BANANA PEOPLE em julho 16, 2014

Depois de ficar ‘nu’ diante do mundo, o Brasil faz o balanço do Mundial em casa: foi bem onde se esperava que fosse mal, e foi mal onde se esperava que fosse bem

Um menino equilibra a bola na cabeça, ontem em Brasília. / Fernando Bizerra (EFE)

Melhor tomar de 7×1 da Alemanha do que ver a Argentina campeã em casa, exagerava um internauta brasileiro nas redes sociais. Como ele, milhões de brasileiros festejaram a vitória alemã na final da Copa, e se refestelavam com uma doce vingança contra os argentinos, cantando uma versão nacional da irritante musiquinha que a torcida celeste usou para provocar o Brasil: “Argentina, me diga como se sente, perdendo na casa do seu pai”. Foi o último suspiro de alegria do Mundial, que começou no dia 12 de junho, com todas as desconfianças do planeta.

O evento bem organizado, que recebeu elogios da mesma mídia internacional que criticava o país até a véspera do dia 12, deixou o país mais feliz. Mas, a fragorosa derrota para a hoje tetracampeã do mundo no futebol acabou num saldo agridoce. O país está feliz porque organizou bem a festa, e se sente traída por uma seleção fraca, que tinha 100% de dependência em um talento individual – Neymar – sem percepção de conjunto. Fomos bem onde se esperava que iríamos mal e fomos mal onde se esperava que nos sairíamos bem, concluíram vários observadores.

É verdade que nem tudo foi perfeito e houve excessos, como o quebra-quebra nos ônibus, e cenas de vandalismo no final do dia da vergonhosa partida do 7×1. Foram registrados dois acidentes horríveis que mataram dois jornalistas argentinos que cobriam sua seleção, e um viaduto que desabou em Belo Horizonte, na véspera da semifinal, matando outras duas pessoas.

Apesar de tudo, os brasileiros se mostram felizes por terem vivido um período de festa continuada, ao sediar a Copa. “Foi muito bom pra gente, tivemos mais turistas do que nunca”, diz o garçom Francisco, de Fortaleza. “Só a seleção brasileira que era muito ruim”, afirma. O mineiro Rafael Eiras foi a oito jogos e viajou o país todo. Elogiou a organização, mas reclamou do preço. “Ingressos e viagens aéreas muito caras”, reclamou.

Isso limitou o acesso de muitos brasileiros aos estádios, mas quem não pôde ir pessoalmente conseguiu ver jogos fabulosos na televisão nesta edição do Mundial. Seleções guerreiras, como a Holanda, Costa Rica e, claro, a Argentina, que mostraram sede de bola, e tomaram poucos gols, ao contrário do Brasil, que tomou dez gols nas duas últimas partidas. O alento futebolístico veio compensar o ranço que perdurou entre junho de 2013, com as manifestações, e o início da Copa, quando perdurou o movimento “Não vai ter Copa“.

O que ficará depois dessa experiência, já começou a ser debatido no dia seguinte à derrota para a seleção alemã. Um menino na arquibancada que chorava desoladamente, enquanto o Brasil era goleado, personificou a dor daquele instante. A Rede Globo foi até a casa dele no dia seguinte, e o pequeno, que se chama Tomás, e tem 9 anos, explicou porque explodiu um lágrimas no estádio, diante da derrota horripilante. “Quando a gente é apaixonado por futebol, qualquer coisa pode desequilibrar a emoção”, tentava teorizar o torcedor mirim. No mesmo dia, em um programa feminino, quatro apresentadoras analisam a fragorosa derrota. “É um tragédia, mas também não é um Bateau Mouche”, em alusão ao barco que afundou na virada de 1988, e que matou 55 pessoas, entre elas a atriz Yara Amaral, da rede Globo.

O 7×1, e o desempenho da seleção brasileira na Copa de 2014 – que incluiu a derrota para a Holanda por três a zero no último sábado – é, certamente, daquelas vergonhas que serão escondidas embaixo do tapete, como tantas que cada país procura omitir, pelo menos para o resto do mundo. Mas tudo ainda é recente, e a dor brasileira foi vista mundialmente. O Brasil ficou nu, com sua luz e sua sombra. Mostrou hospitalidade e foi elogiado por turistas que visitaram o país durante a Copa. Mas também exibiu seu próprio racismo, contra Zuñiga, por exemplo, nas redes sociais, quando ele atingiu Neymar e o deixou fora do jogo. O jogador colombiano foi chamado de macaco, e ofensas grosseiras chegaram a sua filha e a sua mãe, quando ele exibiu fotos delas em sua conta no Twitter.

Houve, ainda, excessos da polícia, como no episódio de expulsão de turistas com bombas de gás, no bairro da Vila Madalena, em São Paulo, no último dia 2, ou ainda, com o emprego de força contra os manifestantes na final da Copa, no Rio de Janeiro, que chegou a atingir jornalistas estrangeiros. Problemas domésticos que continuarão sendo debatidos quando os turistas forem embora.  – http://brasil.elpais.com/brasil/2014/07/14/deportes/1405354101_467000.html

Essa loucura tão argentina

A piada começou antes da Copa do Mundo com a famosa canção que um torcedor inventou no chuveiro: “Brasiiillll decime qué se sienteee, tener en casa a tu papáaa…”

  • Tudo sobre o Mundial 2014

Messi e seus colegas celebram um gol contra o Irã. / getty

A piada começou antes da Copa do Mundo com a famosa canção que um torcedor criou no chuveiro: “Brasiiillll decime qué se sienteeeeee, tener en casa a tu papáaaaa…”. Seu pai? Alguém que só venceu duas copas diz ao único pentacampeão mundial que é seu pai? E tudo porque na Copa de 1990 Maradona fez uma grande jogada contra o Brasil, que culminou com um gol e a partida terminou em 1 a 0 para a Argentina. Parece não importar a Argentina ter perdido aquela Copa do Mundo. Nem o Brasil ganhar a Copa dos EUA em 1994, enquanto o papai caía nas oitavas. Ou o Brasil disputar a final 1998, depois de a Argentina cair nas quartas, nem tampouco o Brasil levar a Copa de 2002, com o papai eliminado na primeira rodada.

“Você vai ver o Messi…”, dizia a canção, “Maradona é maior que Peléeee”. Os brasileiros insistem que Pelé ganhou três Copas e Maradona uma. Mas a música era irresistível e os jogadores argentinos dançaram ao ritmo dela. A Argentina parecia desfrutar da sorte dos vencedores.

A que se deve essa overdose confiança tão necessária no futebol? Dizem que ele está nos genes. Por quê? Há muitas respostas.

Alguns ficaram no grupo da morte, mas a Argentina ficou no da sorte. E, mesmo assim, viu-se em apuros. Ganhou da Bósnia por 2 a 1 com um gol contra de Kolasinac; ganhou do Irã, por 1 a 0 aos 90 minutos; venceu a Nigéria por 3 a 2. Então enfrentou a Suíça, que só foi capaz de derrotar aos 118 minutos. Ganhou da Bélgica por 1 a 0. E a Holanda foi vencida nos pênaltis em uma das partidas mais soporíferas da Copa do Mundo.

Nessa altura, a Argentina sentia-se capaz de tudo. O país surfava numa onda de otimismo. Parecia uma coisa de loucos considerando que a Alemanha acabava de marcar 7 gols contra o Brasil. Mas chegou a final e a Argentina poupou a vida da Alemanha até três vezes. Com Di Maria no banco. Com meio Messi. E lá estavam eles, a um passo da glória graças a essa loucura.

A que se deve essa overdose confiança tão necessária no futebol? Dizem que está nos genes. Por quê? Há muitas respostas. Mas vamos ficar com a que arriscou um dos argentinos mais ilustres, Domingo F. Sarmiento, em seu Facundo, nos idos de 1845, quando o país tinha apenas 30 anos no mundo: “Este hábito de triunfar com as resistências, de se mostrar sempre superior à natureza, desafiá-la e derrotá-la, expõe prodigiosamente o sentimento da importância individual e da superioridade. Os argentinos, de qualquer classe que sejam, civilizados ou ignorantes, têm plena consciência do seu valor como nação; todos os demais povos americanos jogam-lhes na cara essa vaidade, e se mostram ofendidos por sua presunção e arrogância. Acho que a acusação não é de todo infundada, e não me lamento por isso. Ai do povo que não tem fé em si mesmo! Para esse não foram feitas as grandes coisas”.  – http://brasil.elpais.com/brasil/2014/07/15/deportes/1405446928_266197.html

Posted in COMPETIÇÕES, Futebol, MUNDO, Politica, Sociedade | Leave a Comment »

Argentinos se revoltam com música dos jogadores alemães e falam em racismo

Posted by REPÚBLICA BANANA PEOPLE em julho 15, 2014

[gigya  src=”embed id=”player_15117837″ width=”457″ height=”368″ type=”application/x-shockwave-flash” allowscriptaccess=”always” allowfullscreen=”true” src=”http://player.mais.uol.com.br/embed_v2.swf?mediaId=15117837&tv=1″ wmode=”window”]

Recebidos por mais de 500 mil pessoas em Berlim, os jogadores da Alemanha tiveram uma festa gigantesca para comemorar a conquista da Copa ao voltarem para casa. Mas uma música cantada por alguns jogadores em cima do palco está revoltando os argentinos, derrotados pelo time de Joachim Löw na final. O Olé, principal diário esportivo do país, e alguns internautas acusam os alemães de racistas.

Klose, Götze (com microfones), Schurrle e Kroos estão entre os jogadores que cantam a música sobre os “gauchos”, expressão comum usada por argentinos e uruguaios. “Nós somos os gauchos, e os gauchos andam assim”, cantam os jogadores, caminhando agachados. Em seguida, o verso muda para “Nós somos os alemães, e os alemães andam assim” e eles passam a caminhar eretos, felizes e pulando (veja o vídeo acima). “Cargada de raza”, manchetou o Olé, em expressão que pode ser traduzida como “Carregada de raça” e também como “Provocação de Raça”. “Os alemães, segundo eles, olham de cima. São outra raça…”, diz o texto. http://uolesporte.blogosfera.uol.com.br/2014/07/15/argentinos-se-revoltam-com-musica-dos-jogadores-alemaes-e-falam-em-racismo/

 

Posted in COMPETIÇÕES, Futebol | Leave a Comment »

 
%d blogueiros gostam disto: