REPÚBLICA BANANA PEOPLE

Publique sua OPINIÃO Sem CENSURA! DENÚNCIE! Seja Um Colaborador!

Os sindicatos de oposição lançam uma greve geral na Argentina

Posted by REPÚBLICA BANANA PEOPLE em agosto 28, 2014

Três centrais sindicais e os partidos da esquerda organizam piquetes e paralisam linhas de metrô

Uma manifestação em Buenos Aires na quarta-feira. / J. MABROMATA (AFP)

Três das cinco centrais sindicais argentinas, as três identificadas com a oposição ao Governo da peronista Cristina Kirchner, se uniram nesta quinta-feira numa greve geral de protesto contra a crise econômica que assola o país. Uma delas, a ala opositora da esquerdista Central de Trabalhadores da Argentina (CTA), iniciou a paralisação ao meio-dia da quarta-feira e organizou uma manifestação que partiu da praça de Maio, diante da Casa do Governo, e foi até o Congresso.

Manifestantes da ala opositora da CTA e dos partidos trotskistas, que ganharam peso nas últimas eleições legislativas e nos comitês de empresa de várias indústrias à medida que o kirchnerismo foi sofrendo desgastes, também aderiram à greve de 36 horas e ao protesto de rua com piquetes em sete estradas de acesso a Buenos Aires na manhã da quarta-feira. Mas a greve está maior nesta quinta-feira, com a participação das duas divisões opositoras e da poderosa Confederação Geral do Trabalho (CGT). Estão parados caminhões, trens, uma linha de metrô, ônibus interurbanos, aviões, bancos, restaurantes, tribunais, postos de combustíveis, portos, a coleta de lixo e as bilheterias dos estádios de futebol. Os ônibus urbanos estão circulando, mas as vias de acesso à capital estão novamente bloqueadas por protestos.

O sindicalismo oposicionista pede que o Governo proíba por um ano as demissões e suspensões nas empresas. No segundo trimestre de 2014 o desemprego subiu para 7,5%, contra 7,2% um ano antes. A economia permaneceu estagnada em junho, o último mês medido, e a inflação já chega a 31,2% ao ano, segundo números oficiais. O próprio Executivo admitiu que os sindicatos pactuaram este ano um reajuste salarial médio de 29,7%. Por isso os opositores pedem a reabertura das negociações salariais, considerando que os preços subiram acima do previsto no início do ano. Reivindicam também que os assalariados deixem de pagar o imposto de renda, algo que o Governo dificilmente poderá aceitar, de modo que a discussão mais realista será de um ajuste do imposto segundo a inflação.

A presidenta enfrenta a sua terceira greve

Cristina Kirchner enfrenta a terceira greve contra seu Governo; as anteriores foram em 2012 e em abril passado, já em plena recessão.

A forte alta do dólar no pequeno porém influente mercado do câmbio ilegal, até chegar na quarta-feira a 14,38 pesos por dólar, 71% acima do câmbio oficial, também reaquece a expectativa de desvalorização do peso, o que elevaria a inflação ainda mais. A tensão cambial reapareceu na Argentina depois da depreciação do peso em janeiro passado, diante da crise de dívida iniciada em 30 de julho. Mais preocupado agora com uma desvalorização, o Banco Central precisou cancelar a recente redução dos juros para infundir ânimo na economia.

A jornada da quarta-feira começou em Buenos Aires com piquetes que dificultaram, mas não impediram a chegada de carros, caminhões e ônibus dos subúrbios até o centro da cidade. A Gendarmaria Nacional ameaçou desocupar uma rodovia e conseguiu que os manifestantes liberassem o trânsito em algumas das pistas. O secretário de Segurança da Argentina, Sergio Berni, não descartou outras intervenções policiais para desativar nesta quinta os mais de mil bloqueios prometidos em todo o país.

Os piquetes

Na tarde de quarta-feira os piquetes de trotskistas se uniram à CTA opositora, bem representada na administração pública, em uma passeata pelo centro de Buenos Aires. Horas antes também tinham se manifestado ali, mas em paralelo com a greve, as centenas de famílias despejadas no sábado passado de um bairro de barracos na capital pelas forças de segurança do Governo de Kirchner e da prefeitura chefiada pelo conservador Maurício Macri, candidato presidencial nas eleições de 2015.

O líder de uma das CGTs, Hugo Moyano, que foi kirchnerista até 2011, nesta quarta-feira responsabilizou o Executivo por qualquer incidente que venha a ocorrer na quinta-feira. Seu colega da CTA opositora Pablo Micheli não hesitou em recorrer a ofensas para criticar os sindicalistas da CGT e CTA kirchneristas, que representam amplos setores de trabalhadores, chamando-os de “cagões” (medrosos) por não aprovarem a greve. Algumas partidas da Primeira Divisão de futebol seriam suspensas nesta quinta-feira, mas no último momento os clubes decidiram seguir adiante com elas, talvez para evitar desgastes com o Governo de Kirchner, que os subvenciona indiretamente com a transmissão de todos os jogos pela televisão estatal.

Sindicalistas kirchneristas reconheceram problemas como a inflação e a necessidade de atualizar o imposto de renda, mas consideram que esta não é boa hora para pressionar o Governo, em plena disputa com a justiça dos EUA pelo não pagamento da dívida. Nesta quarta-feira, por sinal, uma comissão do Congresso aprovou o projeto de lei para oferecer aos credores dos EUA, Europa e Japão a possibilidade de receber os valores que lhes são devidos na Argentina, de modo a evitar o bloqueio judicial norte-americano que obriga Buenos Aires a pagar primeiramente os chamados fundos abutre que rejeitaram a reestruturação do passivo em 2005 e 2010, antes de aquela maioria dos credores a terem aceitado.

Um dia antes, outra comissão do Parlamento tinha aprovado uma reforma da lei de abastecimento, que elevará os controles de preços e o fornecimento do Estado sobre as grandes empresas. Paralelamente, o Governo esclareceu que não proibiu a exportação de carne bovina, mas a racionou para reduzir os preços internos do prato preferido dos argentinos. E nesta quarta-feira o Congresso sancionou uma lei que dará a 500.000 idosos pobres acesso a uma pensão. Todas essas medidas mostram que Kirchner descarta ficar de braços cruzados diante da crise e que vai aplicar sua receita para fazer frente a ela. A greve desta quinta será a terceira greve geral a confrontar a presidenta. A primeira foi em 2012 e a mais recente, em abril passado. http://brasil.elpais.com/brasil/2014/08/28/economia/1409180751_473694.html

Deixe uma resposta

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: