REPÚBLICA BANANA PEOPLE

Publique sua OPINIÃO Sem CENSURA! DENÚNCIE! Seja Um Colaborador!

Archive for 24 de agosto de 2014

Levantamento do GLOBO mostra quem é o eleitor médio de Dilma, Aécio e Marina

Posted by REPÚBLICA BANANA PEOPLE em agosto 24, 2014

Saiba quais setores da sociedade e regiões do país são mais fortes os três principais candidatos à Presidência

RIO, DEMERVAL LOBÃO (PI) E SÃO PAULO – Com base na pesquisa de intenções de voto mais recente do Datafolha, levantamento do GLOBO aponta em quais setores da sociedade e regiões do país são mais fortes os três principais candidatos à Presidência: Dilma Rousseff (PT), Marina Silva (PSB) e Aécio Neves (PSDB). (Confira o infográfico: o perfil dos eleitores)

DILMA ROUSSEFF (PT)

O lavrador aposentado Ângelo Rodrigues vive com a mulher em Demerval Lobão, no interior do Piauí. Segundo ele, eleitor de Dilma, a construção de casas e as obras de infraestrutura aumentaram a oferta de empregos e incrementaram a renda no município.

— A qualidade de vida melhorou muito porque hoje tem serviço. Antes, os trabalhadores tinham que abandonar a família e ir para São Paulo — diz.

O metalúrgico Edmílson de Sousa, que mora na mesma cidade, é outro entusiasta das gestões petistas.

— Ter um trabalho que garanta o sustento da família é muito importante. A gente não tinha isso nos governos anteriores — critica.

Claudemir Lima de Sousa, 42 anos, é o eleitor médio de Dilma – Efrém Ribeiro

Em Lagoa do Piauí, o comerciante Claudemir Lima está reticente, mas diz que vai votar em Dilma por “falta de uma alternativa melhor”:

— Em uma cidade pequena como a nossa, todos têm moto ou carro. Os banco deram mais crédito para os pobres.

Já a diarista Margareth Barbosa, moradora de Duque de Caxias, região metropolitana do Rio, diz que vai votar em Dilma porque a vida de sua família melhorou nos últimos anos.

— Consegui comprar televisão, sofá e geladeira. Meu marido arrumou emprego e meu filho também está trabalhando — conta.

Para o cientista político Ricardo Ismael, da PUC-Rio, as ações que propiciaram transferência de renda são fatores que explicam a força de Dilma nas regiões Norte e Nordeste e nas parcelas menos escolarizadas e com renda mais baixa.

— São eleitores bastante influenciados pelo Bolsa Família e pelo aumento do salário mínimo — explica.

AÉCIO NEVES (PSDB)

Luiz Piu Borges vota no Aécio – Adriana Lorete / Agência O Globo

O eleitorado de Aécio Neves (PSDB) é predominantemente masculino, com renda familiar mensal acima de dez salários mínimos e ensino superior completo. Entre os eleitores do ex-governador de Minas Gerais, sobram críticas aos episódios de corrupção, como o mensalão, ao inchaço da máquina do Estado e à longa permanência do PT no governo federal.

— É um partido que ocupa todos os cargos. A continuidade deste modelo é um perigo — opina o professor universitário Luiz Pio Borges.

O empresário Antônio Carlos de Almeida defende a eleição de Aécio para a “preservação das instituições democráticas”.

— Não sou contra o PT, mas há um desastre administrativo neste governo.

O empresário João Júlio Caesar faz coro:

— É preciso acabar com esses cabides de emprego e ter uma administração enxuta, como nos anos 90. Sou a favor da meritocracia, e esse aparelhamento me incomoda demais — ressalta.

Para o aposentado Armando Baptista, a eleição de Aécio é necessária para corrigir os rumos da economia.

— Ele vai incentivar a produção e investir no que realmente gera riqueza e trabalho.

Segundo o cientista politico Antônio Testa, da UNB, Aécio angaria apoio nestas parcelas do eleitorado por se colocar objetivamente em oposição à Dilma. Já o cientista político Carlos Pereira, da FGV, acredita em um potencial de crescimento.

— Ele pode conquistar o voto feminino, estrato em que ele tem um índice baixo de apoio — avalia Pereira, que prevê uma eleição muito competitiva.

MARINA SILVA (PSB)

Maria Luisa Azevedo vota na Marina – Adriana Lorete / Agência O Globo

A candidata do PSB à Presidência, Marina Silva, alcança seus melhores índices entre os eleitores mais jovens e nos centros urbanos das regiões Sudeste e Centro-Oeste.

Aos 17 anos, a estudante Maria Luisa Azevedo, moradora do Rio, diz que o “discurso de Dilma não convence” e acha que Aécio Neves pode privatizar empresas públicas, prática com a qual ela não concorda. Maria Luisa se interessou pelas propostas de Eduardo Campos, morto em um acidente de avião, e vai levar o voto para Marina.

— O Brasil e o mundo precisam de alguém que fale em sustentabilidade — define.

O universitário Pablo Alves, de 21 anos, votou na ex-senadora em 2010 e pretende repetir a escolha.

— Ela fala da ética da questão ambiental. Acho o governo da Dilma muito assistencialista — diz ele, morador do Rio.

A jornalista Debora Baez também destaca a firmeza da candidata do PSB quando o assunto é sustentabilidade.

— Ela saiu do PT e do PV por não concordar com a falta de clareza no discurso ambiental.

Já a universitária Gabriela Barbosa, que mora em São Paulo, acredita que Marina representa a “verdadeira mudança na política”.

— Ela rompeu com o PT porque discordava das práticas adotadas — diz, sobre saída de Marina do partido.

Segundo o cientista político Antônio Testa, da UNB, o discurso sobre meio ambiente tem uma boa aceitação na juventude urbana.

— A Marina se comunica bem quando cita essa nova visão de mundo, comprometida com a economia verde — avalia. Efrém Ribeiro, Marco Grillo e Nilson Hernandes Read more: http://oglobo.globo.com/brasil/levantamento-do-globo-mostra-quem-o-eleitor-medio-de-dilma-aecio-marina-13711427#ixzz3BKIY4GzD

Posted in MUNDO, Politica, Sociedade | Leave a Comment »

O pó de fadas da Amazônia

Posted by REPÚBLICA BANANA PEOPLE em agosto 24, 2014

O pesquisador do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA), Antonio Nobre, revela os cinco segredos da floresta amazônica e alerta sobre o perigo de seu desmatamento

O cientista brasileiro Antonio Nobre. / Pablo Correa

Ele foi o primeiro a falar no III Encontro Panamazônico realizado em Lima, nos dias 6 e 7 de agosto. Tem um discurso apaixonado e uma qualidade um tanto rara para um cientista: sabe combinar dados com histórias, explicação com emoção. Antonio Nobre, pesquisador do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA), conta nesta conversa qual é a mágica da Amazônia, em que consistem seus segredos e por que as mudanças climáticas e o desmatamento a ameaçam seriamente…

– Já estamos no ‘Dia depois de amanhã’ das mudanças climáticas? Estamos em uma situação bastante grave. A ponto de a comunidade científica, que não costuma concordar entre si, ter formado um bloco com uma convicção homogênea sobre o assunto. As mudanças climáticas não são mais só uma projeção.

– E como essa situação de gravidade se manifesta na Amazônia? No desmatamento, que remove a capacidade de a floresta se manter. Ela conseguiu se manter por milhões de anos, em condições adversas. Mas hoje sua capacidade está reduzida. Antes havia duas estações na Amazônia, a úmida e a mais úmida.

– Que eram facilmente reconhecíveis. Agora temos uma estação úmida moderada e uma estação seca. E a seca tem um efeito muito perverso. Porque quando não chove as árvores se tornam inflamáveis. O fogo entra e já não existe mais uma floresta tropical.

Os jatos verticais e o pó de fadas

– Apesar de tudo, a Amazônia ainda guarda cinco segredos. É algo que os povos indígenas sempre souberam e que a nossa civilização não percebeu. Mas, nos últimos 30 anos, a Ciência revelou esses cinco segredos. O primeiro é como a floresta Amazônia mantém a atmosfera úmida mesmo estando a 3.000 quilômetros do oceano…

– …E fazer com a que a chuva chegue até a Patagônia. E aos Andes, por 3.000 ou quase 4.000 quilômetros. Outras partes do mundo que estão longe do oceano, como o deserto do Saara, não recebem água. Mas na América do Sul não há esse problema, e isso se deve ao primeiro segredo: os jatos de água verticais.

– E qual é o segredo desse segredo? É que as árvores da Amazônia são bombas que lançam no ar 1.000 litros de água por dia. Elas a retiram do solo, a evaporam e a transferem para a atmosfera. A floresta amazônica inteira coloca 20 bilhões de toneladas de água na atmosfera a cada dia. O rio Amazonas, o mais volumoso do mundo, joga no Atlântico 17 bilhões de toneladas de água doce no mesmo intervalo de tempo.

– É incrível. Como isso foi descoberto? Fazendo medições. Com torres de estudo, com satélites que detectavam esse transporte de vapor d’água, que é um vapor invisível.

– Produzido pelas árvores quase que por magia. A magia vem no segundo segredo. Como é possível que caia tanta chuva, se o ar da Amazônia é tão limpo, já que o tapete verde cobre o solo? O oceano também ter um ar limpo, mas não chove muito sobre ele. Nós, cientistas, desvendamos um mistério.

– Qual? Para formar uma nuvem de chuva, que são gotas de água em suspensão, é preciso transformar o vapor baixando a temperatura. Mas se você não tem uma superfície de partículas, sólida ou líquida, para gerar essas nuvens, o processo não começa.

“A floresta amazônica coloca 20.000 milhões de toneladas de água na atmosfera por dia”

– Então o que é que a floresta faz? Produz o que chamamos de pó de fadas. São gases que saem das árvores e que se oxidam na atmosfera úmida para precipitar um pó finíssimo que é muito eficiente para formar chuva.

– Parece uma fábula. É que a floresta manipula a atmosfera constantemente e produz chuvas para si própria, uma coisa quase mágica. Os gases saem das árvores. São como perfumes e se volatilizam.

– Uma espécie de grande fragrância sustentável. É um oceano verde, diferente do azul. O azul não tem esse mecanismo porque carece de árvores. Tem as algas, que produzem um pouco, mas não como o verde.

A bomba natural e os rios voadores

– Vamos ao terceiro segredo. Vamos. Na Amazônia, o ar que vem do hemisfério norte cruza do Equador, entra e vai até a Patagônia. Até lá chega esse ar úmido, que vem do Atlântico equatorial.

– Com os ventos alísios. Sim, com os ventos alísios que trouxeram as caravelas dos europeus, há 500 anos. Mas os alísios do oceano sul sopram para o norte. O que faz esses ventos irem contra a tendência de circulação global? Dois físicos russos com quem eu colaboro responderam a essa pergunta ao estudar o efeito do vapor dos jorros verticais amazônicos.

– Mais uma vez os jatos verticais. Eles descobriram que, pela física fundamental dos gases, essas condensações de vapor puxam o ar dos oceanos para dentro do continente e criam uma espécie de buraco de água. É como uma bomba natural. A floresta traz sua própria umidade do oceano.

“Onde há florestas não há seca, nem excesso de água, nem furacões, nem tornados. É como uma apólice de seguros”

– E ainda tem mais… O quarto segredo é a transferência dessa umidade amazônica para outras regiões: os Andes no Peru, os páramos da Colômbia… Se você olhar o mapa do mundo, vai descobrir que existe um cinturão úmido que passa pelo Equador, pela África e pelo sudeste asiático.

– É a linha do Equador. Sim, mas é na linha dos trópicos, o de Câncer ao norte e o de Capricórnio, ao sul, que estão todos os desertos. O do Atacama, no Chile, o da Namíbia, na África. Mas essa área que concentra 70% do PIB da América do Sul – que vai de Cuiabá a Buenos Aires, de São Paulo aos Andes – é úmida! Apesar de estar na linha dos desertos.

– E qual o mistério dessa área? Chama-se rios voadores. É uma grande massa de ar úmido bombeada pela Amazônia contra os Andes, que são uma parede de mais de 6.000 metros de altura. É assim que essa massa chega a áreas onde deveria haver deserto. Por isso chove na Bolívia e no Paraguai.

– Falta, finalmente, o quinto segredo. O quinto segredo é que, se você colocar em um gráfico todos os furacões que já aconteceram na história – e a NASA já fez isso – na região das florestas equatoriais não há nenhum deles. E essa região é a que tem mais energia porque a radiação solar é muito intensa.

“O sistema terrestre é um organismo e está muito doente”

– Deveria haver ciclones, como na Índia e no Paquistão. Eles não existem porque o topo da floresta, onde estão as copas das árvores, é áspero e faz com que os ventos sejam obrigados a dissipar sua energia, o que acalma a atmosfera.

– Mas ocorrem tempestades. Claro, mas elas não costumam ser destruidoras. Onde há florestas não há secas, nem excesso de água, nem furacões, nem tornados. É como uma apólice de seguros contra os fenômenos atmosféricos extremos.

A guerra contra a ignorância

– Agora esses cinco segredos estão em risco… O problema se chama desmatamento. Se tirarem a metade do fígado de um bêbado, vai ser difícil para ele lidar com o álcool. É isso o que está acontecendo com a Amazônia. Estamos retirando um órgão do sistema terrestre.

– Então a Amazônia não é o pulmão, mas sim o fígado do planeta? É o pulmão, o fígado, o coração… É tudo! Essa bomba natural da qual falei é um coração que pulsa constantemente. O pó de fadas também funciona como uma vassoura química contra substâncias poluentes, como o óxido de enxofre. O melhor ar é o da Amazônia.

– E, apesar disso, continuamos destruindo a floresta. Se você chega com uma motosserra, com um trator ou com fogo, a Amazônia não pode se defender. As intervenções do homem podem ser benéficas, como na medicina, mas também terríveis, como a motosserra. Por isso eu proponho um esforço de guerra.

– No que consistiria esse esforço? Seria uma concentração de forças para resolver um problema que ameaça tudo. Hoje a ciência nos permite saber que a situação é gravíssima. E o que eu proponho é lutar contra a ignorância, o principal motivo da destruição da floresta amazônica.

– Parece que as prioridades mundiais são outras. Em 2008, os bancos foram salvos em 15 dias. Foram gastos trilhões de dólares nisso. A crise financeira não é nada comparada à crise ambiental.

“A ciência hoje nos permite saber que a situação é gravíssima. Temos que lutar contra a ignorância”

– O que está acontecendo? Estamos embriagados com a civilização? É uma embriaguez primitiva. Quando você vai ao médico e ele diz que você tem uma doença em estágio avançado, o que você faz? Continua fumando? O sistema terrestre é um organismo e está muito doente. A parte contaminante é a parte mais degenerada do ser humano.

– Podemos curar a Amazônia dessa doença? Eu acredito que se tivermos uma capacidade semelhante à que tivemos para salvar os bancos, sim. Porque a floresta tem um poder de regeneração impressionante.

– E, além disso, ela deveria ser importante para todo o mundo. A atmosfera tem uma coisa chamada teleconexões. Um modelo climático pode demonstrar que as mudanças na Amazônia vão afetar os ciclones na Indonésia.

– Então, o maior segredo é acordar… E saber que o que fazemos agora é determinante. As gerações posteriores vão sofrer com as más escolhas de hoje. A geração que está na Terra hoje tem nas mãos os comandos de um trem que pode ir para o abismo ou uma oportunidade para se viver muito mais. http://brasil.elpais.com/brasil/2014/08/14/sociedad/1408010925_555437.html

Posted in Meio & Ambiente, MUNDO | 1 Comment »

Geração NoMo: A rebelião das mulheres que não contemplam a maternidade

Posted by REPÚBLICA BANANA PEOPLE em agosto 24, 2014

As famosas e mulheres anônimas levantam a voz para defender sua decisão e constituem a chamada Geração NoMo, ‘Not Mothers’

Duas mulheres que não querem ser mães: Mirren e Tatou. / Cordon

Depois das PANKS (mulheres solteiras e com dinheiro) e os YUMMIES (jovens urbanas com poder aquisitivo), é hora de dar as boas-vindas à mais recente incorporação ao glossário de siglas que acabará nos deixando loucos. Os especialistas em marketing, em conivência mal intencionada com os sociólogos da modernidade, deixaram aflorar uma palavra que engloba as mulheres que não têm filhos. Com uma carga infinitamente menos comercial que os nomes que mencionamos a princípio, o que a Geração NoMo (Not Mothers) reivindica é “o respeito de uma sociedade fundamentada na absurda crença de que uma mulher tem de dar à luz pelo menos uma vez na vida”. Assim argumenta a associação britânica Gateway Women, paladina da causa e responsável por sua popularização.

O livro Rocking the Life Unexpected é a bíblia das mulheres que formam a Geração NoMo. Jody Day, autora da obra e cofundadora da Gateway Women, alcançou no ano passado os primeiros lugares na lista de títulos mais vendidos da plataforma Amazon. A obra, uma salada de “tom autobiográfico, sociológico e de autoajuda”, se dirige ao 47% de mulheres entre 15 e 44 anos que não têm filhos, segundo estatísticas oficiais dos EUA. Day oferece um retrato pormenorizado da realidade à que se expõe quem não tem descendência: “O que ocorre na vida dessas mulheres é muito mais complexo do que parece, pois nem sempre se trata de uma decisão própria ou uma questão biológica. Há muito mais”.

A autora se baseia na própria experiência. Quando completou 40 anos se deu conta de que nunca seria mãe, o que lhe trouxe não poucas dores de cabeça. “A vida que eu sempre tinha esperado não existia, mas pouco a pouco me dei conta de que não estava só”, afirma. No livro ela propõe ações para desdramatizar uma situação que, segundo ela, em algumas ocasiões pode se tornar complicada. “Quando deixei de me importar com a ideia arquetípica da família com a casa e o cachorro, fui em frente”, diz. Seu objetivo de ajudar outras mulheres se sustenta em uma história pessoal de insatisfação e desesperança, mas nem todas as representantes da Geração NoMo procedem de uma odisseia emocional como a de Day. Na realidade, as iniciativas da associação Gateway Women não só se concentram em oferecer assistência psicológica a essas mulheres, mas também tentam destacar a alegria de viver se ajustando a essa situação.

Muitas famosas de Hollywood confessaram recentemente seu desejo de não serem mães. E o fizeram sem complexos. Assim se expressaram atrizes como Helen Mirren, Zooey Deschanel e Audrey Tatou. Cameron Diaz foi muito clara quando uma ocasião lhe perguntaram a respeito. “Tenho uma vida genial em muitos sentidos precisamente por não ter filhos. É só uma opção”, declarou. Eva Mendes, agora grávida, endossou suas palavras. “As crianças são muito fofas, gosto muito delas, mas não as quero para mim porque adoro dormir”. Em nosso país, Maribel Verdú afirmou em uma entrevista que não queria ser mãe “nem num futuro próximo nem no longo prazo”.

Vocação NoMo: Zooey Deschanel, Cameron Diaz e Renée Zellweger. / Cordon Press

Há um mês, a ministra do Trabalho do Reino Unido, Esther McVey, contou em uma revista que em seus 46 anos não teve filhos porque ninguém “lhe deu corda em seu relógio biológico”. Depois de deixar claro que adora crianças, afirmou que o motivo de sua decisão se fundamenta no fato de não ter encontrado “a pessoa idônea” para tê-los. “Sou feliz com a minha família, meu trabalho e meus amigos”, concluiu. É curioso comprovar a existência dessas respostas – que não deixam de ser a consequência de perguntas que ninguém sabe muito bem por que são feitas e que sempre aparecem quando se trata de mulheres com êxito profissional –, como também surpreende a necessidade de justificar-se com o argumento de que as crianças são uma bênção.

Em 2009, a escritora suíça Corinne Maier invadiu à força as livrarias com uma atitude radicalmente oposta. O livro Sem Filhos: 40 Razões Para Você Não Ter dinamitou qualquer tentação de ferir sensibilidades e verbalizou o que muitas mulheres pensam. “Os filhos são um pé no saco. Se você não tem, desfruta mais do sexo e de maiores oportunidades de trabalho”, disse Maier. Deixando de lado qualquer opinião, o que parece evidente é que a Geração NoMo se apresenta como a reivindicação de um espaço de respeito e liberdade: o respeito às decisões de uma pessoa e à liberdade de poder tomá-las sem ter de dar explicações. http://brasil.elpais.com/brasil/2014/08/23/sociedad/1408813287_310188.html

Posted in MUNDO, Sociedade | 1 Comment »

WTFuck! Que Trapalhada!

Posted by REPÚBLICA BANANA PEOPLE em agosto 24, 2014

Avisos da Ucrânia não evitam entrada de comboio humanitário russo

Rússia forçou a entrada na Ucrânia dos camiões com ajuda humanitária. Tensão crescente no território ocupado pelos separatistas russos.

Depois de uma semana de espera do lado russo da fronteira, os camiões com ajuda humanitária entram na ucrâniaDepois de uma semana de espera do lado russo da fronteira, os camiões com ajuda humanitária entram na ucrânia / ALEXANDER DEMIANCHUK/REUTERS

Um conjunto de 34 camiões entrou, esta sexta-feira, na Ucrânia, apesar dos avisos do Governo e das tentativas, durante mais de uma semana, de impedir esse cenário. O medo de que a operação sirva para fazer entrar armas e auxiliar os rebeldes separatistas são as razões apresentadas para a relutância por parte dos ucranianos. A falta de autorização de Kiev não impediu que os russos forçassem a entrada no país dos camiões reiterando. “Todas as desculpas para atrasar o envio de ajuda foram esgotadas”, diz o ministro dos Negócios Estrangeiros russo, pelo que “tomámos a decisão de agir”.

Um oficial ucraniano, o coronel Andriy Lysenko afirma que outros 90 camiões estão já a caminho de território ucraniano, mas sublinha que “nem os polícias na fronteira nem os representantes da Cruz Vermelha foram autorizados a examiná-los”. Durante 10 dias, a Ucrânia e a Rússia mediram forças. O conjunto de camiões, que integram uma coluna com 260 veículos no total, entra agora em território ucraniano sem ser escoltado pelo Comité Internacional da Cruz Vermelha. A organização sublinha que a sua equipa testemunhou alguns confrontos em Luhansk durante esta madrugada. A poirta-voz Ewan Watson conta que o comité “não está convencido de ter recebido garantias de segurança suficientes por parte das autoridades relevantes”.

O Governo ucraniano vê este desenvolvimento como o incumprimento de um dos termos previamente acordado entre as partes, sobre o processo de envio de ajuda humanitária. Esta decisão por parte de Moscovo poderá dificultar o entendimento entre as forças ucranianas e os rebeldes separatistas. Na tentativa de mostrar que os seus camiões carregam realmente os objectos típicos de uma operação de ajuda humanitária, o Governo russo decidiu abri-los aos jornalistas, há cerca de uma semana, antes de atravessarem a fronteira com a Ucrânia. Os veículos, apesar de carregarem comida e água, estavam praticamente vazios, algo que intrigou os jornalistas no local. Ler mais: http://expresso.sapo.pt/avisos-da-ucrania-nao-evitam-entrada-de-comboio-humanitario-russo=f886733#ixzz3BJS1QYxL

Comboio humanitário de regresso à Rússia

Os camiões russos que entraram esta sexta-feira na Ucrânia, sem autorização de Kiev, começaram a regressar este sábado ao seu país, na sequência das fortes críticas do Ocidente.

Mais de 200 camiões entraram esta sexta-feira na Ucrânia, sem autorização de Kiev

Mais de 200 camiões entraram esta sexta-feira na Ucrânia, sem autorização de Kiev / Dmitry Serebryakov /AFP/Getty Images

Os 200 camiões com ajuda humanitária russa que entraram em território ucraniano, sem autorização de Kiev, esta sexta-feira, começaram a regressar hoje ao seu país. A informação é divulgada pela agência noticiosa russa Interfax e pela Organização para a Segurança e Cooperação na Europa.

As autoridades de Kiev classificaram a acção russa como uma “invasão” e “transgressão das normas do direito internacional”. E o Ocidente uniu-se-lhes, caracterizando o episódio como uma “provocação e violação da soberania e integridade territorial da Ucrânia”, segundo se pode ler num comunicado da Casa Branca. Vladimir Putin, no entanto, reforçou que apenas queria enviar ajuda humanitária o leste do país. Ainda assim, a Reuters noticia que esta manhã mais de 100 camiões atravessaram a fronteira em Izvarino, avistando-se outros a regressar de Donetsk no mesmo sentido.

Bombardeamentos em Donetsk

Enquanto camiões russos deixavam o país em direcção à Rússia esta manhã, os arredores de Donetsk – ocupados pelos rebeldes pró-russos – eram alvo de bombardeamentos e explosões. Vários edifícios foram atingidos com estrondo e ficaram destruídos, registando-se a morte de dois civis, de acordo com a agência noticiosa francesa AFP. Entretanto, em Kiev, capital ucraniana, os preparativos para o Dia da Independência da Ucrânia – que comemora, este domingo, a independência face ao domínio da União Soviética – intensificam-se. – Ler mais: http://expresso.sapo.pt/comboio-humanitario-de-regresso-a-russia=f886831#ixzz3BJSOp6jS

Ajuda humanitária russa de novo a caminho da Ucrânia

Depois de uma paragem numa base militar, fruto da pressão exercida pelas autoridades ucranianas, os camiões russos prosseguem a sua marcha. No leste do país mais 22 pessoas morreram.

A Rússia continua sem esclarecer qual a fronteira de destino da ajuda enviadaA Rússia continua sem esclarecer qual a fronteira de destino da ajuda enviada / YURI KOCHETKOV/EPA

Encarada como mais uma atitude de desafio às autoridades da Ucrânia, os 280 camiões russos que transportam ajuda humanitária retomaram esta quinta-feira a sua viagem, a caminho do leste do país, contrariando a ordem dada pelo Governo de Kiev para a caravana parar.

Os veículos saíram ainda de madrugada da base militar de Voronezh, onde ficaram imobilizados de quarta para quinta-feira, dado o braço de ferro instalado, e retomaram a marcha, seguindo a uma velocidade de 50 km/h, rumo à região fronteiriça de Rostov, diz o “The New York Times”. A agência AFP confirma a chegada dos camiões a esta zona, no sul da Rússia, ainda que nenhuma fonte oficial o confirme. Certo é que o destino final da ajuda permanece por esclarecer, o que contribui para que a operação continue a levantar as maiores suspeitas, não só à Ucrânia mas à comunidade internacional. O receio é o de que a suposta ajuda mascare o envio de armamento ou mesmo de mais militares russos para apoiar os rebeldes separatistas instalados no país.

Em Moscovo, o porta-voz de Vladimir Putin garante que em causa está uma carga de quase duas toneladas, que inclui carne enlatada, água, comida para bebé e outros artigos de primeira necessidade. O colaborador do Presidente russo insiste que a entrega desta ajuda humanitária está a ser devidamente controlada pela Cruz Vermelha, mas o problema é que esta organização desmente.

Mais 22 civis mortos

Restam os factos. Olhando para a rota seguida pelos camiões, a estrada M4 representa um afastamento da região de Kharkiv, zona controlada pelas autoridades ucranianas e onde se esperava que a caravana pudesse chegar, levando o ‘comboio’ para bem mais perto das faixas fronteiriças, onde o Governo perdeu a autoridade. Entretanto, os combates prosseguem no país. Em Lougansk, 22 civis foram mortos nas últimas 24 horas, devido aos vários bombardeamentos que atingiram a cidade, revela a AFP, citando um representante da administração regional. As consequências do conflito chegam também a Bruxelas, onde hoje representantes da União Europeia vão discutir o impacto do embargo declarado pela Rússia à importação de bens agrícolas dos Estados Unidos, Canadá, Austrália e Noruega, uma retaliação às sanções de que foi alvo.  Formas de compensar os agricultores afetados vão estar em cima da mesa. – Ler mais: http://expresso.sapo.pt/ajuda-humanitaria-russa-de-novo-a-caminho-da-ucrania=f885911#ixzz3BJT2i54E

Posted in MUNDO, Politica, Sociedade | Leave a Comment »

 
%d blogueiros gostam disto: