REPÚBLICA BANANA PEOPLE

Publique sua OPINIÃO Sem CENSURA! DENÚNCIE! Seja Um Colaborador!

Archive for 13 de agosto de 2014

Nova Indian Scout promete ser “divisor de águas”

Posted by REPÚBLICA BANANA PEOPLE em agosto 13, 2014

Ícone entre 1920 e 1940, modelo volta ao mercado norte-americano com DNA clássico e muitas inovações

Após mais de 70 anos ausente do mercado, a Indian traz de volta à vida seu modelo ícone, a Scout
  • Após mais de 70 anos ausente do mercado, a Indian traz de volta à vida seu modelo ícone, a Scout
  • Após mais de 70 anos ausente do mercado, a Indian traz de volta à vida seu modelo ícone, a Scout A Indian Scout 2015, que já está disponível para pedidos online, tem preço sugerido de US$ 10.999 (R$ 25.275) A nova Indian Scout foi apresentada durante o 74º Sturgis Motorcycle Rally, na Dakota do Sul Ao projetar a nova Scout, os engenheiros da Indian mantiveram o DNA clássico do modelo De acordo com a Indian, a altura do banco é democrática e agrada a todo tipo de piloto O desenho do painel de instrumentos segue uma linha clássica e conta com tela de LCD A Indian Scout 2015 recebeu motor novíssimo de 1.133 cm³, o primeiro arrefecido a líquido da marca O banco único em couro marrom garante um visual ainda mais clássico a nova Scout 2015 Nessa releitura, os engenheiros mantiveram a essência e o DNA original da Scout dos anos 20, 30 e 40 A nova Indian Scout 2015 conta com cinco cores: vermelho, preto, preto fosco, prata e prata fosco O novo propulsor V-Twin da Indian Scout é capaz de gerar 100 cv de potência as 8.100 rpm

Durante a 74ª edição do Sturgis Motorcycle Rally, um dos maiores e mais tradicionais encontros de motociclistas do mundo, realizado no início de agosto no Estado de Dakota do Sul (EUA), a Indian apresentou aos aficionados por motos custom a nova Scout 2015, que retorna ao mercado após mais de 70 anos e traz uma interpretação moderna da clássica motocicleta. O principal destaque do ressuscitado modelo fica por conta do novo motor, o primeiro de arrefecimento líquido da história da centenária marca norte-americana.

No desenvolvimento desta releitura do modelo, os engenheiros mantiveram a essência e o DNA original da Scout dos anos 1920, 30 e 40. Dessa forma, o chassi construído em alumínio do tipo “triângulo rígido” (ou rigid triangle, marca registrada da Indian), encontrado nas antigas 101 Scout, foi “imortalizado” no novo projeto. Seu entre-eixos mede 1.562 mm, o que, de acordo com a Indian, deixa a manobrabilidade em baixa e alta velocidades excepcional. Ainda segundo a fabricante, o ângulo de inclinação chega a 31 graus, um bom número para uma motocicleta custom.

Além do chassi com o DNA clássico, a Indian equipou a Scout 2015 com um farol redondo com acabamento em preto e um aro cromado, que reproduz o desenho original, e ainda combina com outros elementos da motocicleta. O símbolo do tanque é parecidíssimo com o utilizado nas Scouts desde 1920, tudo para deixar o novo modelo com a identidade da antiga moto.

Ciclística

O banco único em couro marrom, além de dar um aspecto clássico, fica a 642 mm do solo, o que garante conforto e a facilidade de agradar pilotos de diferentes estaturas e níveis de experiência. Pesando 244 kg a seco, pouco mais leve (1 kg) que a Harley-Davidson 883, por exemplo, a Scout conta com suspensão dianteira de 120 mm de curso e duplo amortecedor traseiro de 76 mm de curso. O trabalho de frenagem é feito por disco duplo de 298 mm de diâmetro e pinça de dois pistões na dianteira e disco simples também de 298 mm e pinça de pistão único.

“Durante 30 anos de incontáveis inovações, vitórias em corridas, recordes mundiais, a Scout ganhou a reputação de ser uma motocicleta versátil, multi tarefas, que agradava todo o tipo de motociclista. Nossos designers e engenheiros pegaram essas características e incorporaram na versão 2015 da Scout”, disse Steve Menneto, vice-presidente da área de motocicletas da Polaris, durante a apresentação da Scout 2015.

Motor

A Indian Scout 2015 é equipada com o novíssimo motor DOHC (duplo comando de válvula) V-Twin de 1.133 cm³ e oito válvulas, o primeiro propulsor da Indian com sistema de arrefecimento a líquido. Apesar de ser totalmente novo, a companhia afirma que os engenheiros combinaram o design, o desempenho e a confiabilidade das Scouts antigas, com os componentes e tecnologias modernas. Dessa forma, o propulsor entrega a potência de maneira suave e sem falhas em toda a faixa de potência. O novo propulsor, capaz de gerar 100 cavalos de potência as 8.100 rpm e torque máximo de 9.98 kgf.m aos 5.900 giros, conta ainda com injeção eletrônica de combustível e acelerador eletrônico “ride-by-wire”.

Já disponível para reservas on-line no site da Indian Motorcycles, a Scout 2015 estará nas lojas da marca nos Estados Unidos no final de 2014 por U$ 10.999 (pouco mais de R$ 25.000) nas cores: vermelho, preto, preto fosco, prata e prata fosco. Incluindo o novo modelo, a Indian conta agora com cinco modelos, o que representa apenas 3% do “market share” do mercado norte-americano. No entanto, a Polaris espera aumentar esse número com as vendas da Scout e ameaçar a liderança da Harley-Davidson. “Nós da Polaris acreditamos que a Scout 2015 será um divisor de águas para a Indian”, completou Steve Menneto.

História da Indian e da Scout 101

Entre as décadas de 1920 e 1940 eram comuns em parques de diversões atrações como o “globo da morte”, na qual motociclistas se aventuravam a andar nas “paredes” de madeira desses “circuitos” em alta velocidade. Uma das motocicletas mais utilizadas nesse tipo de show era a 101 Scout, construída pela Indian entre 1920 e 1949, cuja versatilidade e maneabilidade a transformavam em um sucesso da época. Na verdade, a Scout continua sendo a moto predileta nesse tipo de evento, que ainda acontece por todos os Estados Unidos organizados pela Vintage American Entertainment.

Apesar do sucesso conquistado naquela época, a Indian passou por dificuldades durante 60 anos, até que, em 2011, foi adquirida pela Polaris Industries, fabricante norte-americano de veículos off-road e das motocicletas Victory. Desde então, a Polaris tem tentado reerguer a lendária Indian e disputar clientes com a Harley-Davidson. Sendo assim, no ano passado a Polaris introduziu três novos modelos (Chief Classic, a Chieftain e a Chief Vintage) na linha da Indian e revelou há pouco sua nova touring, a Roadmaster 2015. Roberto Brandão Filho (Agência Infomoto) / Fotos: Divulgação / Fonte: iCarros – http://msnmotos.icarros.com.br/noticias/motos/nova-indian-scout-promete-ser–divisor-de-aguas-/16658.html

Posted in Custom/Antigas, MOTOCICLOS | Leave a Comment »

O contato de índios isolados coloca o Brasil em “alerta máximo”

Posted by REPÚBLICA BANANA PEOPLE em agosto 13, 2014

Há mais de 100 registros de indígenas que vivem na mata sem contato

Vinte e quatro integrantes da tribo encontrada recentemente já saíram do isolamento

Dois dos índios isolados no primeiro contato com a Funai. / funai

No primeiro contato, em 27 de junho, eles eram sete: cinco homens e duas mulheres, que aparentavam ter menos de 20 anos, seguravam flechas e uma espingarda, falavam uma língua desconhecida naquela região amazônica, no Estado do Acre, perto da fronteira do Brasil com o Peru. Após avistarem um barco da Fundação Nacional do Índio (Funai), se aproximaram e gesticularam.

Os funcionários retiraram alguns peixes que traziam na canoa e deixaram às margens do rio. Foi quando ouviram os homens se referirem aos animais como “capiriba” e “huiuã”, palavras similares às usadas pelos índios jaminauás, que vivem a cerca de 400 quilômetros dali.

Os funcionários entraram no barco e foram embora, seguindo a política praticada desde 1988, de se aproximar de povos isolados da mata apenas quando eles correm riscos – antes disso, a regra era descobrir esses grupos e afastá-los de áreas necessárias para a construção de projetos de infraestrutura e confiná-los em outro local.

EL PAÍS

Dois dias depois, os mesmos índios voltaram a aparecer perto dali. Agora, na aldeia Simpatia, do grupo ashaninka, a última antes da fronteira, localizada em uma área demarcada chamada Terra Indígena Kampa e Isolados do Rio Envira. Cantaram, imitaram macacos e, ao avistarem um homem com uma espingarda, ameaçaram: “Se nos maltratarem, vamos botar feitiço em vocês”, conforme registrado em um vídeo, traduzido posteriormente. Batiam na barriga, em um sinal interpretado como um aviso de que tinham fome. Receberam dos ashaninka dois cachos de bananas, e, num ritual de troca, entregaram a eles um jabuti. Entraram na aldeia e diante da passividade dos presentes saquearam um calção e um machado. Foram embora. No dia seguinte, se aproximaram mais uma vez: um dos homens espirrava e tossia.

O Itamaraty pediu ajuda ao Governo peruano para identificar as pressões e tentar contê-las

A possível gripe acendeu um sinal de “alerta máximo” na equipe da Funai, que, até então, tentava convencê-los a voltarem para a mata. Vivendo isolados provavelmente por toda uma existência, esses índios não têm imunidade para as doenças dos brancos. Por isso, casos de contatos costumam ser desastrosos: uma doença não tratada pode exterminar de 50% a 90% de um grupo, diz a Funai. Quando decidem deixar o isolamento, esses índios demoram três gerações para adquirir a imunidade necessária para lidar com gripe, malária, hepatite ou sarampo, doenças comuns entre os brancos e índios da região. Os sete do grupo acabaram contraindo gripe.

A Amazônia brasileira é a área com a maior quantidade de índios isolados do mundo, de acordo a organização não-governamental Survival International, que tem uma vasta pesquisa com foco nos grupos isolados. Segundo a Funai, existem ao menos 104 registros de presença de índios isolados no país – 26 grupos já foram localizados, confirmados e são monitorados de longe pela entidade. Quatro deles estão no Acre, sendo um deles os isolados do Xinane, de onde vêm esses sete índios. A aproximação deles é o maior caso de contato já registrado pela Funai desde 1988, quando a política mudou. Foi a segunda vez que a procura partiu dos indígenas.

O fato causa preocupação. É um indício de que a área onde vivem está em risco. “Eles nos relatam que estão fugindo de uma situação de conflito, ligado a uma pressão sobre o território deles”, contou Leonardo Lênin Santos, coordenador de Proteção e Localização de Índios Isolados da Funai, em uma audiência convocada pela Comissão de Meio Ambiente do Senado para discutir a situação, na semana passada. “A dinâmica desses povos isolados está sendo mudada em função dessa pressão territorial. Estamos lidando com relatos de massacres. Eles contam que houve isso com esse grupo”, ressaltou. Há suspeitas de que eles tenham fugido do lado peruano da fronteira, onde a ação de madeireiros é registrada.

Os índios não têm imunidade para as doenças dos brancos: uma doença não tratada pode exterminar de 50% a 90% de um grupo

Nesta terça, em uma coletiva de imprensa em Brasília, a presidenta da Funai, Maria Augusta Assati, esclareceu que o Itamaraty pediu ajuda ao Governo peruano para identificar as pressões e tentar contê-las. “O Brasil não tem como afirmar neste momento que as pressões vêm do lado peruano, nem quais são elas”, disse, complementando com a informação de que do lado brasileiro a área é monitorada, o que torna menos provável que a ação contra os índios tenha partido daqui.

A Survival International, no entanto, destaca que os casos de índios isolados dizimados em território nacional são muitos, especialmente em áreas não demarcadas –o que não é o caso dessa região do Acre. A própria Funai confirma. Há algumas tribos isoladas que sobrevivem com um número baixíssimo de membros, como o “homem do buraco”, um solitário índio que vive na região de Tanaru, no estado de Rondônia, no norte do país, e rejeita qualquer tipo de contato. Em 2009, afirma a organização, ele foi violentamente perseguido por atiradores. Acredita-se que os outros membros da sua aldeia tenham sido vítimas de um massacre. Para os antropólogos que estudam esses grupos, muitas dessas tribos isoladas já tiveram, no passado, algum contato traumático com brancos, por isso escolheram se distanciar completamente.

“A dinâmica desses povos isolados está sendo mudada em função dessa pressão territorial. Estamos lidando com relatos de massacres”, diz a Funai

A Survival criou uma petição online que pede ações por parte dos Governos do Peru e do Brasil para ajudar os índios do Xinane. “O mais importante é a proteção de suas terras para que possam viver da forma que queiram e tenham a liberdade de decidir que tipo de vida querem e se querem estabelecer contato”, afirmou ao EL PAÍS Laura de Luis, a porta-voz da organização.

Os índios isolados parecem já ter começado a esboçar suas escolhas. O número dos que já deixaram a mata em busca de ajuda aumentou para 24, segundo a Funai. Todos estão bem de saúde, inclusive os sete primeiros, que já se curaram da gripe após receberem medicação. Eles a aceitaram, depois que intérpretes –índios jaminauás, levados para a área de helicóptero e que falam uma língua do mesmo tronco linguístico, o pano – explicaram a necessidade.

Todos fizeram exames de sangue, para se avaliar se são imunes a algum tipo de doença e receberam algumas vacinas. Uma equipe médica emergencial os acompanha, e tem à disposição helicópteros, para driblar a distância de seis dias de barco até o serviço de saúde mais próximo. “Estamos lidando com uma situação emergencial. Ou nós, de fato, fazemos uma intervenção competente, qualificada, ou estaremos repetindo as histórias de contato, onde a mortandade dos grupos indígenas foi muito alta”, desabafou o coordenador da Funai, na audiência no Senado, convocada pelo senador Jorge Viana (PT), que, após o contato, conseguiu o apoio do Governo para implementar um projeto que aumentará as verbas para a proteção desses índios. O órgão trabalha com a possibilidade de que o grupo aumente para 60 nos próximos dias. Os que já chegaram estão alojados em uma base da Funai, que estava desativada. Caso decidam por fazer do contato algo permanente, poderão montar uma aldeia perto dali. Na região de 650.000 hectares já demarcada poderão viver em maior segurança. Só não se sabe em qual situação de saúde. http://brasil.elpais.com/brasil/2014/08/12/sociedad/1407879285_289082.html

Posted in Meio & Ambiente, MUNDO, Sociedade | Leave a Comment »

Uma vida política bem sucedida

Posted by REPÚBLICA BANANA PEOPLE em agosto 13, 2014

Campos foi deputado, ministro de Lula, e governou Pernambuco, seu estado natal, por duas vezes. Seu sonho de ser presidente foi abreviado pela tragédia

Campos, em uma foto de julho de 2014. / EVARISTO SA (AFP)

O candidato do Partido Socialista Brasileiro (PSB), Eduardo Henrique Accioly Campos, nasceu em Recife, capital pernambucana, no dia 10 de agosto de 1965, filho do poeta e cronista Maximiano Campos com a ex-deputada federal e atual ministra do Tribunal de Contas da União, Ana Arraes e neto do ex-governador de Pernambuco Miguel Arraes, que governou Pernambuco três vezes. Campos foi deputado federal e estadual, e ministro de Ciência e Tecnologia durante o Governo Lula, cargo que assumiu em 2004.

Na sequência, governou seu estado natal por duas vezes, a última reeleito no primeiro turno. Ele se licenciou este ano para concorrer à presidência pelo Partido Socialista Brasileiro (PSB), do qual era também o presidente, tendo a ambientalista Marina Silva como vice na chapa. Campos se formou em economia pela Universidade Federal de Pernambuco, onde iniciou sua vida política, na década de 1980, como presidente do Diretório Acadêmico da Faculdade de Economia. Em 1986, participou da campanha que elegeu o avô Miguel Arraes governador de Pernambuco e se tornou, no ano seguinte, o chefe de Gabinete do Governo.

Se filiou ao PSB em 1990, mesmo ano em que foi eleito deputado estadual pelo Recife. Em 1994, foi eleito deputado federal e pediu licença do mandato para integrar, novamente, o governo do avô e ocupar a cadeira de secretário da Fazenda, entre 1995 e 1998. Neste último ano disputou as eleições novamente, e ganhou como deputado federal, voltando pela terceira vez ao Congresso. Em 2004, Campos assumiu o Ministério da Ciência e Tecnologia do Governo Lula e assumiu a presidência do PSB no ano seguinte, em 2005, sendo reeleito em 2011. Seu mandato terminaria no final de 2014. Em 2006, ganhou as eleições para o Governo de Pernambuco, sendo reeleito em 2010. Pediu licença do mandato para concorrer à presidência nas atuais eleições. Eduardo Campos era pai de cinco filhos com a mulher e também economista e auditora do Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco, Renata Campos. http://brasil.elpais.com/brasil/2014/08/13/politica/1407947895_670786.html

Posted in MUNDO, Personalidades, Politica, Sociedade | Leave a Comment »

Forças do Mal Derrubam Avião de Presidenciável!

Posted by REPÚBLICA BANANA PEOPLE em agosto 13, 2014

Eduardo Campos morre após acidente aéreo em Santos

Eduardo Campos na sabatina do G1

Eduardo Campos na sabatina do G1 – Divulgação/VEJA

Jato em que estava o presidenciável caiu em aérea residencial no litoral paulista

Local da queda de aeronave em Santos, no litoral paulista

Local da queda de aeronave em Santos, no litoral paulista – Futura Press

RIO – O presidenciável Eduardo Campos (PSB-PE ) morreu na manhã desta quarta-feira após sofrer um acidente aéreo em Santos. O jato em que estava o político iria para um evento na cidade de Santos chamado SantosExport. A aeronave em que viajava do Rio para Guarujá perdeu contato com controle aéreo após arremeter durante o pouso. Segundo o candidato do PSB no DF, Rodrigo Rollemberg, a direção do partido o informou que os passageiros a bordo do avião que caiu eram: Eduardo Campos, sua esposa Renata, o filho Miguel, os assessores Pedro Valadares, Carlos Percol e um cinegrafista ainda não identificado.

Local da queda de aeronave em Santos, no litoral paulista

Local da queda de aeronave em Santos, no litoral paulista – Futura Press

O avião, um Cessna 560 XL, prefixo PR-AFA, deixou o aeroporto do Santos Dumont às 9h20m com destino a Santos. As informações foram confirmadas por Carlos Siqueira, primeiro secretário do PSB. A aeronave pertencia à empresa AF Andrade, de Ribeirão Preto (SP), que atua no setor de açúcar e álcool, e já havia sido usada pelo candidato no mês passado, numa viagem ao interior de São Paulo. O ex-deputado Walter Feldman, que estava ao lado de Marina Silva em São Paulo, disse logo depois do acidente ter conversado com o deputado Márcio França, que recepcionaria Campos em Santos. França confirmou para o aliado que a aeronave que caiu tinha o prefixo da alugada pela campanha de Campos:

– Márcio França ligou e disse ter confirmado que o prefixo do avião é o mesmo de Campos. Mas temos que aguardar – explicou o ex-deputado.

Local da queda de aeronave em Santos, no litoral paulista

Local da queda de aeronave em Santos, no litoral paulista – Estadão Conteúdo

Em seu gabinete no Tribunal de Contas da União, a ministra Ana Arraes, mãe de Eduardo Campos, ao ser informada dos rumores sobre a queda do avião em Santos, caiu no choro. O Corpo de Bombeiros confirmou a queda, que ocorreu na altura do número 136 Rua Alexandre Herculano, esquina com Rua Vahia de Abreu, nas imediações do Canal 3, a cerca de sete quadras da praia. Logo após a queda, a primeira informação era a de que se tratava de um helicóptero. Sete pessoas ficaram feridas e pelo menos três imóveis foram atingidos.

Eduardo Campos (PSB) posa pra uma selfie

Eduardo Campos (PSB) posa pra uma selfie – Reprodução/VEJA

A sala de imprensa do Corpo de Bombeiros informou que sete vítimas foram socorridas em hospitais da região, mas ainda não há informações se elas eram ocupantes da aeronave ou moradores dos imóveis atingidos. O Pronto-Socorro Municipal de Santos confirmou que há quatro feridos internados na unidade. A queda ocorreu pouco depois das 10h. A poucos metros do local do acidente funcionam uma escola infantil e uma academia de ginástica. A região tem casas e comércios.

O Comando da Aeronáutica informou, por nota, que o avião, modelo Cessna 560XL, prefixo PR-AFA, caiu às 10h.

O candidato à presidência pelo PSB, Eduardo Campos participa de sabatina na CNA, em Brasília

O candidato à presidência pelo PSB, Eduardo Campos participa de sabatina na CNA, em Brasília – Futura Press

“A aeronave decolou do Aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro, com destino ao aeroporto de Guarujá (SP). Quando se preparava para pouso, o avião arremeteu devido ao mau tempo. Em seguida, o controle de tráfego aéreo perdeu contato com a aeronave”, diz nota da Aeronáutica.

Eduardo Campos segura o filho Miguel

Eduardo Campos segura o filho Miguel – Aluisio Moreira/Divulgação/VEJA

A Aeronáutica investiga as causas do acidente. O local onde ocorreu a queda é bastante movimentado. Testemunhas relatam que ouviram barulho de uma explosão. O quarteirão foi isolado pela Polícia Militar, Corpo de Bombeiros e equipes de resgate. Com o estrondo na hora da queda, vidraças de lojas quebraram-se. Read more: http://oglobo.globo.com/brasil/eduardo-campos-morre-apos-acidente-aereo-em-santos-13586260#ixzz3AHz8Svpp

Posted in MUNDO, Personalidades, Politica, Sociedade | Leave a Comment »

 
%d blogueiros gostam disto: