REPÚBLICA BANANA PEOPLE

Publique sua OPINIÃO Sem CENSURA! DENÚNCIE! Seja Um Colaborador!

Ainda não há arma secreta contra o vírus de Ébola

Posted by REPÚBLICA BANANA PEOPLE em agosto 5, 2014

Não há tratamento para a causa das febres altas causadoras de hemorragias provocadas pelo vírus de ÉbolaApesar da esperança alimentada por um soro referido como “milagroso”, não é conhecida cura para o vírus de Ébola.

Há cura para o vírus de Ébola? O efeito de um soro experimental, a que se chamou “milagroso”, em dois médicos norte-americanos infetados aumentou as esperanças numa cura para o surto da doença que já matou 887 pessoas em quatro países, segundo dados da Organização Mundial de Saúde de 1 de agosto, que revelam haver 1603 casos conhecidos da doença. “ZMapp” é o nome do soro que foi administrado a Kent Brantly, um médico norte-americano infetado com Ébola na Libéria, que se encontra numa unidade de isolamento em Atlanta, Estados Unidos. O soro provocou uma notável reversão da doença ao fim de uma hora e o estado de saúde do médico tem melhorado, segundo descreve a CNN.

O soro, que até agora só tinha sido testado em macacos, pertence a uma nova família de drogas conhecida por “anticorpos monoclonal”, que usa proteínas manufaturadas para evitar que o vírus de Ébola infete novas células. Citado pelo jornal britânico “Telegraph”, Martin Hibberd, professor das doenças infecciosas emergentes da Escola de Medicina e Higiene Tropical de Londres, diz que aquela categoria de drogas – ZMab – tem “um bom registo de segurança” mas tem ainda de ser desenvolvida a partir de experiências clínicas. “Neste caso, os anticorpos mostraram em vários modelos animais que ‘neutralizam’, assim agindo como eliminadores do vírus, provavelmente ao impedirem que o vírus infete novas células”, conclui Hibberd. Os médicos que seguem o estado de saúde de Brantly em Atlanta mantêm reservas, assumindo que, apesar das melhorias do estado do médico, não há condições para afirmar que se encontre fora de perigo.

Não há cura para o ébola

Não há tratamento para a causa das febres altas causadoras de hemorragias provocadas pelo vírus de Ébola. No entanto, um indivíduo infetado pode ter mais probabilidades de sobreviver se for devidamente isolado, hidratado, e tratado no sentido de controlar a febre e evitar que entre em estado de choque. Nestas condições, mais semelhantes às de que está a beneficiar Kent Brantly do que a maioria dos infetados nos países afetados pelo surto, faz que a perspetiva de mortalidade da doença, que ronda os 90%, possa descer para até 30%. Sobre como aniquilar o atual surto de Ébola, Jaime Nina, infecciologista e professor no Instituto de Higiene e Medicina Tropical, defende que há que repetir o método utilizado em 2006 no Uíge, Angola, durante o surto de Marburgo (“primo direito” do Ébola), ou seja, o recurso aos militares: “Não há medicamentos (só para aliviar os sintomas) nem vacinas contra o vírus, pelo que só o isolamento e a quarentena funcionam, como se fazia na Idade Média”, diz ao Expresso. Para tal, é necessário uma coordenação e um comando unificado, o que não acontece entre os países atingidos, Guiné-Conacri, Libéria, Serra Leoa e, mais recentemente, Nigéria. http://expresso.sapo.pt/ainda-nao-ha-arma-secreta-contra-o-virus-de-ebola=f884856#ixzz39YH2UOwj

Ligações aéreas. Portugal não tem rotas diretas com os países afetados pelo ébola, mas são 12 as ligações indiretas Medo a bordo

Quase 900 pessoas morreram infetadas pelo vírus do Ébola na África Ocidental. Os casos mais recentes fazem temer o descontrolo da epidemia e aumentam os receios quanto às suas formas de contágio. Estarão a salvo os passageiros nos aviões?

Ligações aéreas. Portugal não tem rotas diretas com os países afetados pelo ébola, mas são 12 as ligações indiretas  / Infografia: Jaime Figueiredo

De surto remoto a possível pandemia, a escalada do número de mortes causadas pelo ébola tornou a doença uma preocupação à escala mundial, agravada pelo relato dos casos mais recentes, nomeadamente o de um passageiro de um voo oriundo da Libéria. Patrick Sawyer morreu dias depois de ter chegado a Lagos, na Nigéria, e soube-se hoje que um dos médicos que o tratou está também infetado pelo vírus. http://expresso.sapo.pt/medo-a-bordo=f884905#ixzz39YHy4zbt

Deixe uma resposta

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: