REPÚBLICA BANANA PEOPLE

Publique sua OPINIÃO Sem CENSURA! DENÚNCIE! Seja Um Colaborador!

Jornal diz que falta dignidade a brasileiros que celebram derrota argentina

Posted by REPÚBLICA BANANA PEOPLE em julho 14, 2014

Alemanha e Argentina decidem o título da Copa do Mundo no Maracanã132 fotos

Capitão Philip Lahm levanta a taça do tetracampeonato alemão na Copa do Mundo Leia mais Julio Cesar – Guimaraes/UOL

Um dia após a final da Copa, o jornal argentino Olé provocou os brasileiros que festejaram a derrota da seleção portenha no Maracanã. “Você não tem dignidade”, titulou o jornal, em português. O periódico, conhecido por dar gás a provocações de arquibancada, sugeriu que os brasileiros sofrem de “síndrome de Estocolmo” por terem torcido pela Alemanha, a equipe que atropelou os anfitriões na semifinal por 7 a 1.

“Incrível: os brasileiros festejaram o triunfo da seleção que os humilhou”, escreveu o jornal em uma matéria em que lista os memes que tomaram conta da internet depois do tetracampeonato alemão.

“Como se diz dignidade em português?”, pergunta o periódico. “Parece que no Brasil eles também têm à mão essa palavrinha, embora não saibam muito bem o que significa.”

“Porque, para colocar a camiseta da Alemanha… a seleção que acaba de os humilhar, de os destroçar em mil pedaços, ou melhor, sete pedaços […] Vestir a camiseta só para torcer pelo rival da Argentina, não devem ter noção de dignidade, claro que não”, escreveu o jornal.

O Olé e o Tiempo Argentino destacaram uma manchete da versão eletrônica do Lance! Para exemplificar o sentimento que tomou parte dos brasileiros que temiam uma vitória argentina em pleno Maracanã. “Decime que se siente ahora”, escrevera o Lance! Após a derrota portenha.

Para o Tiempo, a provocação foi uma mostra de vingança e agressividade. O Olé respondeu: “Vou dizer o que se sente: orgulho!”

“Orgulho” e “obrigado”, por sinal, foram as palavras mais impressas nos jornais de Buenos Aires nesta segunda-feira. “Um obrigado mundial”, manchetou o Olé, que também sugeriu que até o Cristo Redentor viu um pênalti não marcado sobre Higuaín.

“Tristeza e orgulho: caímos de pé diante da Alemanha”, escreveu o Crônica. “Glória sem taça”, foi a escolha do caderno de esporte do La Nación. Já o Clarín, ao passo que também reclama de um suposto erro de arbitragem que definiu o resultado do jogo, também faz uma radiografia da jogada que levou ao gol de Götze, no segundo tempo da prorrogação: “Um gol que ainda nos dói”, classificou o periódico. Adriano Wilkson – http://copadomundo.uol.com.br/noticias/redacao/2014/07/14/jornal-diz-que-falta-dignidade-a-brasileiros-que-celebram-derrota-argentina.htm

Copa deixa legado de infraestrutura menor e mais caro

Em São Paulo

A Copa do Mundo deixa um legado de infraestrutura para o Brasil muito menor do que o prometido quatro anos atrás – e a um custo mais alto. Em 2010, o governo anunciou que o evento atrairia investimentos de R$ 23,5 bilhões em 83 projetos de mobilidade urbana, estádios, aeroportos e portos. Parte das obras ficou no caminho e só 71 projetos foram mantidos na lista.

Segundo levantamento feito pela rede de repórteres do “Estadão” nas 12 cidades-sede, as obras entregues para a Copa e as inacabadas somam R$ 29,2 bilhões – mesmo tendo sido substituídos em várias cidades projetos mais ambiciosos, como trens e monotrilhos, por modestos corredores de ônibus. Ou seja, o país gastou mais para fazer menos e com menor qualidade.

Em setembro de 2013, o Ministério dos Esportes apresentou sua última consolidação das obras da chamada Matriz de Responsabilidade da Copa, já com a exclusão dos projetos prometidos em 2010 e abandonados. Os 71 projetos confirmados somavam então R$ 22,9 bilhões.

Esse resultado significava que os governos federal, estaduais e municipais e a iniciativa privada gastariam 3% a menos do que o previsto em 2010 para fazer 15% a menos em número de obras. Os investimentos estavam distribuídos assim: 50,5% para o governo federal, 33,1% para os Estados e municípios e 16,4% para o setor privado. Entretanto, a reportagem do “Estado” constatou que o gasto total, hoje, é ainda maior: R$ 29,2 bilhões, ou 27% a mais do que o anunciado há quatro anos.

A construção dos estádios foi prioridade, seguida dos aeroportos. Mas na mobilidade urbana, o principal legado da Copa para os moradores das grandes cidades, o resultado foi sofrível. De 50 projetos, apenas 32 foram mantidos, o que quer dizer que um em cada dois foi abandonado. De acordo com a matriz consolidada em setembro pelo Ministério do Esporte, o país investiria R$ 7 bilhões em mobilidade urbana para receber a Copa, R$ 4,47 bilhões a menos do que o previsto em 2010.

Inacabadas

Além disso, boa parte das obras não foi entregue a tempo para o Mundial. O levantamento do Estado nas 12 cidades-sede mostra que 74 obras de mobilidade urbana foram entregues e 46 permanecem inacabadas. O número de obras é maior do que o da lista de projetos do ministério porque as prefeituras e governos estaduais, que são as fontes dessa informação, costumam fatiar projetos em várias obras.

Os projetos de construção do VLT de Brasília e de Manaus, por exemplo, ficaram só no papel. Já o monotrilho de Cuiabá será entregue no segundo semestre de 2015. Em São Paulo, o Expresso Aeroporto, trem que ligaria o centro da cidade a Cumbica, foi cancelado em 2012. E o monotrilho do Morumbi ainda está em construção.

O abandono e a não conclusão das obras só não tiveram um impacto maior porque a maioria das cidades decretou feriado ou ponto facultativo para o funcionalismo, além de as férias escolares de julho terem sido antecipadas. Em uma cidade como São Paulo, isso equivale a trocar o deslocamento de seus 10 milhões de moradores pelo de 64 mil torcedores indo para o Itaquerão e outras 30 mil ou 40 mil pessoas concentrando-se na Fan Fest e bares ao redor no centro da cidade, bem como na Vila Madalena, na zona oeste.

Copa na Vila Madalena

A pequena, colorida e silenciosa torcida holandesa era destaque na maioria dos bares da Vila Madalena Paulo Anshowinhas/UOL

O único segmento que não sofreu baixas foram os estádios. Todos os projetos previstos saíram do papel e custaram R$ 8 bilhões ao País – 98% em recursos públicos-, montante 50% acima do previsto em 2010. Mal ou bem, ainda que com parte das arquibancadas provisória, como no Itaquerão, eles ficaram prontos para a Copa, acalmando a Fifa.

Em São Paulo, o projeto original previa a reforma do Morumbi, que custaria R$ 240 milhões e mais R$ 315 milhões em obras do entorno. Com a substituição da obra pela construção do estádio do Itaquera e investimentos no seu entorno, o custo saltou para R$ 1,37 bilhão.

No caso dos aeroportos, o desempenho foi mediano – alguns ficaram prontos, outros, não, mas isso não comprometeu o embarque e desembarque dos torcedores. Obras previstas em aeroportos como Viracopos, Confins, Fortaleza e Salvador não foram concluídas antes do Mundial. “A reforma dos aeroportos era uma necessidade, independente da Copa”, analisa Carlos Ebner, diretor-geral da Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata) no Brasil. “Mas a Copa era uma motivação para dar um salto de infraestrutura e deixar um legado ao País. Mas nem tudo foi feito e queremos que as obras continuem após a Copa.”

Segundo ele, o caos não ocorreu porque o setor se organizou em uma operação especial e compensou os entraves de infraestrutura. Foi o que aconteceu também com o transporte urbano, beneficiado pelos feriados e linhas especiais de ônibus para os torcedores. Terminada a Copa, a vida volta ao normal. As informações são do jornal “O Estado de S. Paulo”. http://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/agencia-estado/2014/07/14/copa-deixa-legado-de-infraestrutura-menor-e-mais-caro.htm

Memes da Copa – Final

Sentados lado a lado no Maracanã, Putin e Blatter ganharam até uma “câmera do beijo” Reprodução/Twitter

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: