REPÚBLICA BANANA PEOPLE

Publique sua OPINIÃO Sem CENSURA! DENÚNCIE! Seja Um Colaborador!

Crimeia já está sob domínio das forças militares russas

Posted by REPÚBLICA BANANA PEOPLE em março 3, 2014

foto David Mdzinarishvili/ReutersCrimeia já está sob domínio das forças militares russas. As forças russas no terreno serão, neste momento, já em maior número do que as forças militares leais à Ucrânia presentes na Crimeia

Os média internacionais estão a reportar, esta segunda-feira, que as tropas russas já controlam o terreno na província ucraniana da Crimeia. A ocupação foi feita sem nenhum disparo. Alemanha diz que não é demasiado tarde para solução política.

A confirmação da informação veiculada por vários órgãos de informação foi feita por fontes do Departamento de Estado norte-americano, que reconheceram que Moscovo tem “total controlo operacional da Crimeia”. Segundo o jornal “The Guardian”, altos funcionários daquele departamento do Governo dos EUA admitem que Washington tem pouca capacidade para influenciar Putin e avançaram a informação de que cerca de 6000 tropas russas entraram, por ar e terra, na península ucraniana. As forças russas no terreno serão, neste momento, já em maior número do que as forças militares leais à Ucrânia presentes na Crimeia. A BBC adianta ainda que há duas bases militares ucranianas que estão cercadas por militares russos. Grupos pró-Moscovo locais estão também no terreno a pedir às tropas ucranianas que passem a ser obedientes ao governo local, que está alinhado com a Rússia.

Navios militares russos estarão também a movimentar-se no Mar Negro. Recorde-se que em Sevastopol, cidade da Crimeia, está localizada a principal base naval da frota naval russa do Mar Negro. Os militares russos estarão também a conseguir limitar as telecomunicações em várias zonas do território da península. As principais estradas estarão já sob domínio das tropas russas, que instalaram diversos pontos de controlo do tráfego rodoviário. O ministro dos Negócios Estrangerios russo afirmou em Genebra que a presença de tropas russas na Ucrânia é necessária “até à normalização da situação política”. O governo ucraniano ordenou entretanto mobilização militar e chamou tropas na reserva, ao mesmo tempo que exorta a maior apoio internacional.

Alemanha pede solução política

A chanceler alemã, Angela Merkel, considera que ainda não é “demasiado tarde” para encontrar uma solução política para a crise na Ucrânia e que não há uma opção militar, afirmou o seu porta-voz, Steffen Seibert. “Ainda não é demasiado tarde para que a Rússia envie sinais que mostrem o respeito dos acordos (internacionais) e que permitam acalmar a situação na Crimeia e no leste da Ucrânia”, acrescentou. O porta-voz referia-se ao Memorando de Budapeste, de 1994, sobre a soberania da Ucrânia, e ao tratado sobre a frota russa do Mar Negro, de 1997.

Rússia e China de acordo

Entretanto, o ministro russo dos Negócios Estrangeiros anunciou que a China e a Rússia possuem um largo entendimento sobre a situação na Ucrânia, anunciou o ministro russo dos Negócios Estrangeiros após conversar ao telefone com o seu homólogo chinês. Numa conversa telefónica, o Sergei Lavrov e o seu homólogo chinês, Wang Yi, observaram pontos de vista “amplamente coincidentes sobre a situação que se desenvolveu no país (Ucrânia) e em volta dela” revela um comunicado do Ministério russo dos Negócios Estrangeiros.

Reino Unido adverte para as consequências

O ministro dos Negócios Estrangeiros britânico, William Hague, advertiu a Rússia para as “consequências e custos” das suas ações na Ucrânia, onde forças pró-russas controlam partes da península da Crimeia. “Esta não pode ser a maneira de conduzir questões internacionais no século XXI”, disse Hague em Kiev. “Não é uma maneira aceitável e vai ter consequências e custos”, acrescentou. Hague não precisou de que consequências falava, mas disse que o Reino Unido está a avaliar medidas económicas e diplomáticas, não militares. “O que se passa na Crimeia é uma violação da soberania e integridade territorial da Ucrânia. Vamos dar passos decisivos para lhe pôr fim. O mundo não vai abandonar a Ucrânia”, disse o ministro britânico, que falava à imprensa em Kiev depois de um encontro com o presidente interino da Ucrânia, Olexandr Turchinov. http://www.jn.pt/PaginaInicial/Mundo/Interior.aspx?content_id=3717270&page=-1

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: