REPÚBLICA BANANA PEOPLE

Publique sua OPINIÃO Sem CENSURA! DENÚNCIE! Seja Um Colaborador!

Cães assassinos mataram crianças na Coreia do Norte

Posted by REPÚBLICA BANANA PEOPLE em fevereiro 27, 2014

Cães assassinos mataram crianças na Coreia do NorteUm ex-guarda de um campo de concentração da Coreia do Norte recordou, numa conferência em Genebra, o momento em que cinco crianças regressavam da escola do campo e foram atacadas por cães de guarda. Três morreram no local e as outras duas acabaram enterradas vivas.

foto AFP Photo – Kim Jong-un

Ahn Myong-Chol, que foi guarda em campos de concentração, deu o seu testemunho sobre as violações dos direitos humanos na Coreia do Norte. “Depois de escaparem dos seus tratadores, os cães atiraram-se às crianças que regressavam da escola. Três tiveram morte imediata. Os guardas enterraram vivas as outras duas, que respiravam com dificuldade”, afirmou. “Os guardas, em vez de sacrificar os cães, recompensaram-nos com comida especial” no dia seguinte, assegurou Ahn Myong-Chol.

O ex-guarda fez estas declarações em Genebra, onde participa numa conferência, antes de o Conselho dos Direitos Humanos das Nações Unidas examinar, em março, um relatório sobre as violações daqueles direitos por Pyongyang. A Comissão de Investigação da ONU, que entre várias testemunhas ouviu Ahn, denunciou num comunicado difundido na semana passada “crimes contra a humanidade” e instou a comunidade internacional a reagir. A comissão estima que “centenas de milhares de prisioneiros políticos morreram nos campos nos últimos 50 anos” por “fome, trabalhos forçados, execuções, tortura e violações”.

“Entre 80 mil e 120 mil prisioneiros políticos continuam detidos em quatro campos grandes”, indicou a comissão, se bem que o número de campos e de prisioneiros tenha diminuído devido às mortes e algumas libertações. “Nos campos, as pessoas não são tratadas como seres humanos… São como moscas que podem ser esmagadas”, afirmou Ahn, que fugiu da Coreia do Norte em 1994. Refugiou-se na Coreia do Sul, depois de ter trabalhado em quatro campos de concentração denominados “zonas de controlo total”. Ali, os prisioneiros são obrigados a trabalhar de 16 a 18 horas por dia, dormem quatro ou cinco horas e recebem três vezes por dia 100 gramas de comida.

“Todos os dias alguém morre de fome, de esgotamento ou por acidente”, revelou Ahn, filho de um responsável local e selecionado aos 18 anos para ser guarda. No seu primeiro local de trabalho, o campo 14 ao norte de Pyongyang, sugeriram-lhe que utilizasse os seus conhecimentos de taekwondo contra os prisioneiros, considerados como a encarnação do mal e a quem tinha o direito de matar.

“Tínhamos o direito de matá-los e se trouxéssemos o corpo, podíamos receber como recompensa ir para a universidade”, explicou o ex-guarda, que revelou, ainda, que muitos deixavam escapar de propósito os prisioneiros para os matarem e obterem a recompensa. Ahn, que temia pela sua vida, conseguiu chegar à fronteira com a China e atravessar a nado o rio Duman. Na Coreia do Sul, decidiu cooperar, há três anos, com a ONG “Liberem o gulag norte-coreano”. “Estes horrores continuam”, realçou Ahn, para quem a população “está paralisada com medo” ao dirigente atual, Kim Jong-un. http://www.jn.pt/PaginaInicial/Mundo/Interior.aspx?content_id=3711564&page=-1

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: