REPÚBLICA BANANA PEOPLE

Publique sua OPINIÃO Sem CENSURA! DENÚNCIE! Seja Um Colaborador!

Dieta mediterrânica classificada Património Imaterial da Humanidade

Posted by REPÚBLICA BANANA PEOPLE em dezembro 5, 2013

Foi conhecida esta quarta-feira a decisão da UNESCO.

A dieta mediterrânica foi esta quarta-feira classificada como Património Mundial e Imaterial da Humanidade pela UNESCO, disse à agência Lusa o presidente da Câmara de Tavira.

A candidatura foi promovida por Portugal, articulada com Chipre, Argélia e Croácia, tendo a câmara de Tavira sido responsável pelo processo técnico de preparação da candidatura, ao longo de dois anos e meio.

Estes países juntam-se a Grécia, Espanha, Itália e Marrocos, que viram inscritas, em novembro de 2010, as suas dietas mediterrânicas na lista do património imaterial da UNESCO.

Esta dieta, com origem no termo grego ‘daiata’, é um estilo de vida transmitido de geração em geração, que abrange técnicas e práticas produtivas, nomeadamente de agricultura e pescas, formas de preparação, confeção e consumo dos alimentos, festividades, tradições orais e expressões artísticas.

DISTINÇÃO É “SELO DE QUALIDADE” PARA PRODUTOS NACIONAIS (17h51)

A ministra da Agricultura considerou, esta quarta-feira, que a classificação da dieta mediterrânica como Património Imaterial da Humanidade pela UNESCO é um “selo de qualidade acrescido” para os produtos portugueses que pode acrescentar mais dinamismo ao setor.

“É muito positivo para valorizar os produtos portugueses no estrangeiro”, afirmou hoje Assunção Cristas, em declarações à Lusa, recordando que “as exportações no setor alimentar têm crescido de forma exponencial”.

Para a ministra, a distinção da UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura) “é um selo acrescido” para os produtos portugueses, “de qualidade e de distinção, que pode acrescentar ao dinamismo que já se sente no setor, ainda mais motivação”.

“Mais ânimo para os nossos agricultores, para os nossos pescadores e para todo o trabalho que é feito na promoção dos produtos nacionais, seja no mercado interno, seja no mercado internacional”, disse.

Assunção Cristas considera que a distinção serve também como “reconhecimento da forma [portuguesa] de comer”.

“Os nossos produtos tradicionais são extraordinariamente bons, têm grande qualidade e correspondem a uma forma muito saudável de alimentação”, afirmou, lembrando que “a dieta mediterrânica é considerada aquela que melhores benefícios traz para a saúde, nomeadamente na prevenção de um conjunto de doenças”.

PRINCIPAIS DATAS DAS CLASSIFICAÇÕES DE PATRIMÓNIO MUNDIAL EM PORTUGAL:

– 1983: A UNESCO decide, em Florença, a classificação simultânea dos primeiros quatro locais portugueses como Património Mundial: Centro Histórico de Angra do Heroísmo (Açores), Mosteiro da Batalha, Mosteiro dos Jerónimos/Torre de Belém (Lisboa) e Convento de Cristo (Tomar).

As justificações apresentadas no relatório do comité são diversificadas, indo do critério de um “excelente exemplo de um tipo de construção”, para o caso de Angra do Heroísmo, à peça “representativa de uma obra prima do génio criativo da humanidade”, quanto à Batalha.

– 1986: O quinto espaço português a ser classificado como Património Mundial pela UNESCO é o Centro Histórico de Évora, sendo, de acordo com os critérios da organização, “testemunho de uma troca considerável de influências durante um dado período ou numa determinada área cultural” e, tal como Angra do Heroísmo, um “excelente exemplo de um tipo de construção ou um conjunto arquitectónico ou tecnológico ou paisagístico ilustrando um ou mais períodos significativos da história da humanidade”.

– 1989: O Mosteiro de Alcobaça foi introduzido na lista de locais classificados como Património Mundial, por constituir “uma das mais importantes abadias cistercienses europeias, atendendo ao seu estado de conservação e à sua arquitetura, símbolo de Cister”, de acordo com um documento da Comissão Nacional da UNESCO sobre os locais portugueses.

– 1995: A UNESCO incluiu a Paisagem Cultural de Sintra na lista, devido ao seu “valor universal extraordinário, representando uma abordagem pioneira ao paisagismo Romântico que teve uma destacada influência nos desenvolvimentos de outras partes da Europa”.

– 1996: O Centro Histórico do Porto foi inscrito como Património Mundial pelo “distinguido testemunho que muitos dos seus edifícios históricos e o seu tecido urbano” detêm da evolução da cidade ao longo dos últimos mil anos, explicou na altura o relatório da UNESCO.

– 1998: A 22.ª sessão do Comité do Património Mundial da UNESCO assistiu à classificação dos Sítios Pré-históricos de Arte Rupestre do Vale do Rio Côa e de Siega Verde (Espanha), tendo na altura os delegados da Austrália e de Marrocos expressado a sua satisfação pelo “contributo dado para a diversidade e credibilidade” da lista de Património Mundial.

– 1999: O Comité do Património Mundial da UNESCO aceitou a entrada da Floresta Laurissilva da Madeira na lista, o maior espaço sobrevivente de um tipo de floresta em tempos propagada pela Europa.

– 2001: A preservação “excecional” do Centro Histórico de Guimarães foi um dos vários motivos que garantiram a entrada para a lista de Património Mundial, para a qual também contou a ligação da cidade ao “estabelecimento da identidade e da língua portuguesa”.

Na mesma sessão, o Comité do Património Mundial da UNESCO inscreveu o Alto Douro Vinhateiro na lista, devido à história, cultura e paisagem daquela região.

– 2004: A Paisagem da Cultura da Vinha da Ilha do Pico, nos Açores, considerada Património Mundial a partir deste ano, “reflete uma resposta única à vinicultura numa pequena ilha vulcânica que tem vindo a evoluir desde a chegada dos primeiros colonizadores no século XV”, segundo a UNESCO.

– 2011: O Fado foi considerado Património Imaterial da Humanidade segundo decisão tomada durante o VI Comité Intergovernamental da Organização da ONU para a Educação, Ciência e Cultura, ficando reconhecida a importância deste género musical como parte da identidade cultural de Portugal.

– 2012: A maior fortificação abaluartada do mundo, em Elvas, é classificada como Património Mundial, num edificado que remonta ao reinado de D. Sancho II (1243-1248), possuindo um perímetro de oito a 10 quilómetros e uma área de 300 hectares.

– 2013: A Universidade de Coimbra foi considerada Património Mundial da UNESCO. Durante séculos, foi a única universidade portuguesa e afirmou, na cidade do Mondego, uma identidade cultural.

– 2013: A dieta mediterrânica foi classificada como Património Imaterial da Humanidade pela UNESCO. http://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/noticias/nacional/sociedade/dieta-mediterranica-classificada-patrimonio-imaterial-da-humanidade

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: